Turismo | Machu Picchu


Chegar em Machu Picchu de trem vindo pelo Vale Sagrado é simplesmente imperdível e claro, luxuoso. O trem leva o nome do explorador que descobriu em 1911 essa que é considerada uma das 7 maravilhas do mundo moderno: Hiram Bingham.
Desembarcamos no Pueblo de Machu Picchu. De cara fomos para o nosso hotel que deixou-nos de queixo caído. Encravado na mata local o Inkaterra Machu Picchu é o verdadeiro paraíso natural. As instalações perfeitas e o atendimento irrepreensível. O Spa do hotel de cara foi utilizado por mim afinal a altura deixou-me bastante ofegante e atordoado e precisei desse descanso inicial acompanhado de alguns copos de chá de coca.
Dia seguinte caminhada até a cidade perdida de Machu Picchu. Localizada abaixo de Cusco e do Vale Sagrado fica a uma altitude de 2400 metros. A chegada às montanhas sagradas deixa qualquer visitante sem ar e, no mínimo, instigado com os mistérios que envolvem a construção do mais importante sítio arqueológico da America do Sul.
Detalhe, essa foi a única cidade inca não descoberta pelos espanhóis. Intrigante não?
Especula-se que a cidade era um centro astronômico, um local de cultos ou ainda a propriedade do nono imperador inca.
Ainda lá encontraram diversos ossos femininos e suspeita-se também ter sido o local um centro religioso para virgens.
Turistas do mundo inteiro percorrem caminhos e escadarias da Montanha Velha, como é conhecida no local.
A única e mais plausível explicação de como construíram Machu Picchu é que por meio de roldanas levavam os blocos de granito até o topo das montanha e depois com ferramentas poliam as mesmas. As construções de maior destaque são o Templo do Sol, o Templo das Três Janelas e Intihuatana, mais conhecida como relógio e calendário solar.
Apenas uma explicação é certa: nada é mais misterioso que Machu Picchu. Ninguém jamais será o mesmo após passar por esse monumental canto do mundo.