Gastronomia | Chocolateria


A chocolateria na Suíça dispensa apresentações. Simplesmente o maior ícone gastronômico representativo mundo afora, arrasa em todos os quesitos.
O chocolate mais simples que comemos em qualquer canto, em qualquer banquinha pelas ruas é delicioso. Está no DNA do suíço produzir com excelência esse produto.
Claro que alguns são Premiuns e merecem todo o destaque.
Em 1819 um suíço, chamado François Louis Cailler abriu a primeira fábrica de chocolate suíça. Mas o grande passo para o chocolate suíço se deu em 1875, quando Daniel Peter, genro de Cailler, resolveu adicionar leite ao chocolate – e assim foi criada a primeira barra de chocolate ao leite para ser consumida como sobremesa. O que levou o chocolate Suíço ao posto que ocupa hoje, foi a transformação de uma simples produção em uma arte. As primeiras fábricas de chocolate de renome surgiram na Suíça, e a adição de ingredientes finos, os avanços tecnológicos, a competição entre essas marcas e a paixão dos suíços pelo chocolate elevaram o chocolate suíço ao posto de melhor chocolate do mundo.
No entanto, não é só o sabor especial que garantiu a Suíça este posto. Existe também todo um trabalho de construção de uma imagem de produtos de qualidade superior, motivada tanto pelas empresas quanto pelo país. O produto é tão importante para a economia Suíça que o governo estabeleceu, ainda em 1901, a Associação de Produtores de Chocolate, Chocosuisse, para promover o chocolate suíço e garantir um padrão de qualidade.
Hoje é possível visitar-se a famosa e antiga fabrica da Cailler, controlada pela Nestlé.
A Lindt é atualmente a maior produtora e exportadora do país e seus sabores são reconhecidos em todos os cantos do mundo. E que delicia não?
A chocolateria boutique que visitei em Lucerna “Max Chocolatier” (www.maxchocolatier.com)  impressionou em todos os sentidos. Desde a entrada em uma de suas pequeninas lojas já recebemos de presente aquele aroma diferenciado, do melhor cacau transformado na mais cobiçada guloseima. As barras de chocolate, além de elegantemente embrulhadas, também deixaram-me apaixonado pelos sabores provados. Quanta delicadeza.
Um bolo feito com chocolate africano escuro e frutas secas deixou-me intrigado e ao prová-lo quase caí de joelhos.
Mas estava na clássica Trufa ao Champagne a magnitude local. Nunca provei algo igual. Ali entrei literalmente em êxtase.
O que era aquilo meu Deus? Tivemos a oportunidade de visitar a fabricação dos chocolates e também a opção de produzirmos nosso próprio chocolate personalizado. Que delícia!
Encantou-me muito também as chocolaterias “Läderach” (www.laederach.com)  espalhadas por todas as cidades em todo o país. Nas elegantes estações de trem sempre éramos assediados por barras e barras com sabores diversos nas vitrines, algumas com amêndoas, castanhas, avelãs, berries, flor de sal, uvas passas,  infinidades. Uma melhor do que a outra. Acabei comprando tantas barras que meu excesso de peso foi de quase 15 kg só em chocolate. Mas como eu queria que minha família sentisse o mesmo prazer que eu! Injusto aproveitar dessa forma, não?
Provei também outras marcas maravilhosas como
Enfim, o que dizer do clássico Fondue de Chocolate acompanhado de frutas frescas. Fenomenal! Imaginem os Fondues suíços como não são, um mais incrível que o outro e preparados com o mais puro e mais qualificado chocolate então.
Será que engordei nesse garimpo? Kkkkkkk, acho que não.
Mas cada grama adquirida vale por cada lembrança eternizada, por cada sabor experimentado e jamais esquecido, por cada estória ouvida e sentida dentro do peito.
Valeu, ah como valeu!